APX - Segurança e Medicina do Trabalho

Nos apresentamos como uma prestadora de serviços na área de Segurança e Medicina do Trabalho, baseados em três Colunas fundamentais em nossos dias: AGILIDADE, COMODIDADE e ECONOMIA, sem deixarmos de primar pelo ótimo ATENDIMENTO e pelo crescente desenvolvimento, atualização e reciclagem de toda a equipe, que resulta em CONHECIMENTO.

Obtivemos a primeira concessão da ISO 9001:2008 em 2010 e nos mantemos aprovados desde então.

Objetivos:
• Busca da Satisfação do Cliente
• Excelência do Serviço prestador
• Melhoria contínua do seu capital humano

Em destaque

  • Dicas

    5 Super dicas para prevenir acidentes de trabalho

    Conquistar um ambiente de trabalho mais seguro e com menos acidentes não é algo que acontece, assim, da noite para o dia: mais do que uma questão prática, a adoção de um comportamento mais seguro é algo que deve ser incorporado à cultura da empresa, e, como toda mudança, precisa de tempo, paciência, dedicação e ações corretas para começar a dar os primeiros resultados.
    Confira abaixo cinco super dicas para começar a implantar essa cultura de prevenção entre seus colaboradores:

    #1 Uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e Coletiva (EPCs)
    Equipamentos de proteção são dispositivos utilizados pelo trabalhador (EPI) ou equipes (EPC) para protegê-los de riscos à saúde e segurança enquanto desenvolvem suas atividades profissionais. Forneça EPIs e EPCs de qualidade e adequados à carga de trabalho dos colaboradores e conscientize-os sobre a importância do uso.

    #2 Atenção extra aos trabalhos nas alturas
    O trabalho em altura é responsável por 40% dos acidentes no trabalho no Brasil. Não à toa, foi criada a Norma Regulamentadora 35, que estabelece requisitos mínimos e medidas de proteção para os serviços desenvolvidos em altura. A norma é aplicável em todos os segmentos que realizam atividades acima de dois metros do nível inferior e apresentam risco de queda.

    #3 Divulgação de riscos e formas de prevenção
    Os trabalhadores precisam conhecer os riscos aos quais estão submetidos nas atividades que forem realizar. Essas informações podem ser repassadas por meio de treinamentos e capacitações periódicos, bem como medidas de precaução e procedimentos que devem ser executados em situações de emergência. A empresa pode realizar simulações e fiscalizações para estimular o comportamento seguro, corrigir práticas e reforçar a cultura da prevenção.

    #4 Ambiente organizado com sinalização e instruções claras
    As máquinas e equipamentos devem apresentar instruções de uso claras e acessíveis, como manuais POP (Procedimento Operacional Padrão). Riscos devem ser identificados por meio de placas – como choques, queda de materiais e explosões – e EPCs devem ser sinalizados e localizados em regiões de fácil acesso. O ambiente interno deve estar sempre organizado, iluminado, limpo e com a pintura de faixas delimitadoras em dia, para evitar acidentes decorrentes da perda de formulários de instruções e da invasão de áreas restritas, por exemplo.

    #5 Use a tecnologia a seu favor
    Uma solução tecnológica é capaz de registrar o histórico de saúde dos colaboradores e controlar as datas dos próximos exames obrigatórios, por exemplo, garantindo que estejam sempre aptos para a realização das atividades. Também aponta o momento de reposição de EPIs e EPCs, assegurando a disponibilidade dos equipamentos de proteção, e controla a situação da higiene dos ambientes e da manutenção das máquinas. Automatizando esse controle, sobra mais tempo para a empresa traçar novas estratégias para evitar acidentes e oferecer um local de trabalho cada vez mais seguro, contribuindo também com o desenvolvimento do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA).

    Criar um ambiente de trabalho seguro depende de todos e conscientização, organização e disciplina são palavras-chave nesse processo.

    As ações da empresa precisam ser orientadas no sentido de fazer o funcionário enxergar valor e importância na causa para mudar seu comportamento, dessa forma, haverá ganhos em segurança e também em resultados, já que a sensação de proteção está diretamente ligada à produtividade.

  • Últimas Notícias

    Musicoterapia usa ritmo e melodia para tratar doenças

    A musicoterapia tem diversas vantagens: ajuda na interação com o mundo, relaxa, aguça sentidos, movimenta o corpo, melhora a coordenação motora e até mesmo ajuda na cura de doenças. O objetivo principal é utilizar a música (som, ritmo, melodia e harmonia) para auxiliar na comunicação, na aprendizagem, na expressão e atender necessidades físicas, emocionais, mentais, sociais e cognitivas do indivíduo ou grupo. “A música é muito provocativa, muito convidativa para entrar no mundo da comunicação. Serve para o indivíduo começar a se expressar, sendo capaz de auxiliar na cura ou melhora de uma doença”.

    A musicoterapia pode ser utilizada em todas as idades e em vários tipos de dificuldades. Desde UTI ou asilo de idosos, crianças autistas, cegas e com vários outros tipos de dificuldades. A metodologia pode variar desde jogos, quaisquer instrumentos e chegar até a música. “Na maior parte dos casos a musicoterapia é ativa, ou seja, o próprio paciente toca os instrumentos musicais, canta, dança ou realiza outras atividades junto com o terapeuta. Já a forma passiva, o profissional usa apenas a música para ajudar no tratamento”.

    Visando oferecer aos pacientes um atendimento mais humanizado, novos procedimentos foram incluídos na lista de práticas integrativas do Sistema Único de Saúde (SUS), por meio da publicação da Portaria 145/2017.